Releases

 
     

Transformação digital na mobilidade traz soluções do campo à cidade

Oct 15 2019

Primeiro painel apresentou tecnologias inovadoras para a mobilidade

Foto do Painel 1

Soluções tecnológicas desenvolvidas em busca da mobilidade mais sustentável foram demonstradas e debatidas na manhã desta terça-feira, dia 15, no painel Transformação Digital, que abordou o tema “A Reinvenção do Negócio da Mobilidade e o Impacto da Transformação Digital em seu Ecossistema”, no 28º Congresso SAE BRASIL 2019.

A primeira parte do painel Transformação Digital reuniu num showcase profissionais dos setores público e privado, que traçaram um panorama sobre promessas, oportunidades e desafios do setor.

O professor e Coordenador do iCenter – Centro de Inovação da FATEC-SP, Antonio Celso Duarte, apresentou o que está em desenvolvimento de tecnologias de veículos no agrobusiness. “O novo caminhão, em fase de testes, foi projetado para reduzir a perda de produtividade causada pelo pisoteamento de soqueiras nas lavouras de cana-de-açúcar, que hoje chega a 4%. Mas, com a novidade, será possível ter uma agricultura mais precisa”, salienta. A precisão no trajeto do caminhão na plantação é essencial, pois as soqueiras resultantes da colheita crescem novamente nas safras subsequentes da cana-de-açúcar. “Há uma perda de 20% nesse sentido. Porém, com a nova tecnologia, será possível fazer seis replantios em vez de cinco.” Além de um eixo mais longo para garantir mais produtividade, o veículo é dotado com antenas GPSS, de alta precisão e triangulação; sistema de auto direção; sensores giroscópios de múltiplos eixos; identificação de variações nas inclinações; e correções de variações pelo sistema de controle.

O encontro contou ainda com a presença do executive diretor Global Product da Jayson Safety North America, Bob McHugh, que apresentou a tecnologia de DSS (Driver State System), um sistema de direção autônoma que visa monitorar e trazer mais segurança ao motorista, e que começou a ser desenvolvido em 2017 numa parceria com a GM. “Existe uma desconexão muito grande entre o banco do motorista e o volante. Assim, o sistema permite, por meio de câmeras e sensores que mapeiam a face do motorista, identificar possíveis distrações do condutor do veículo como falar ao celular, sinal de cansaço e até mesmo dirigir por muito tempo sem as duas mãos ao volante”, explica. “Todas essas informações são retransmitidas ao veículo, que passa a trafegar de forma mais segura.”

O painel teve a participação também do gerente de Desenvolvimento de Sistemas da Mercedes-Benz do Brasil, Giuliano Alves da Silva, que falou sobre Indústria 4.0 e Fábrica Digital (SGP - Sistema de Gerenciamento da Produção), projeto que oferece tecnologia de ponta e alta conectividade, e que vem sendo implantado no setor de produção da multinacional em São Bernardo do Campo (SP). O objetivo é fazer com que toda realidade diária do setor produtivo da fábrica seja transferida para uma realidade virtual. “O projeto permite uma integração maior entre processos e o sistema de operação, trazendo resultados mais assertivos sobre todas as fases produtivas. Por meio do sistema SGP é possível ter acesso aos números da produção, simulando os dados com fidelidade”, garante. “Estamos falando de um sistema que representa uma economia razoável em termos de postos de treinamento e capacitação de profissionais, por exemplo.”

Foto do Painel 2

Mobilidade Autônoma
A Mobilidade Autônoma foi o tema abordado no painel pelo vice-presidente de Soluções Autônomas da Scania, Håkan Schildt, que ressaltou a importância de o setor se reinventar, investindo em novas tecnologias para veículos autônomos, conectados e elétricos.

“O ecossistema atual de transporte não é nada sustentável e precisamos criar e aplicar novas tecnologias que interrompam o crescimento dessa curva de emissão de poluentes no meio ambiente”, salienta. “É preciso parar de ficar investindo em tecnologia no sistema atual de transporte e focar mais em novas soluções para um serviço mais eficiente”, salienta.

Schildt ressaltou ainda que, na história, houve três grandes inovações: criação da roda, do carvão e sistema de combustão. Segundo ele, essa seria a oportunidade de mais um grande passo rumo à evolução do setor. “Precisamos de veículos que transportam com mais velocidade e eficácia, sem depender necessariamente da limitação do motorista. Trabalhamos praticamente da mesma forma há 100 anos e vai ser uma experiência muito interessante sair de um trabalho ‘sujo’ para algo mais ‘limpo’ e principalmente sustentável”, projeta.